A circularidade trágica em Esperando Godot, de Samuel Beckett

  • Ayanne Larissa Almeida Souza Universidade Estadual da Paraíba
Palavras-chave: Literatura dramática, Estrutura de Sentimento, Samuel Beckett, Esperando Godot,

Resumo

O presente artigo objetiva investigar o trágico na peça Esperando Godot, do escritor irlandês Samuel Beckett. Através de nossa análise, propomo-nos examinar de que maneira podemos compreender o trágico enquanto uma estrutura de sentir, termo cunhado por Raymond Williams (2002; 2011). O trágico, percebido sob o conceito de Williams, passa a ser visto como uma convenção geracional de características que, em uma determinada época, são consideradas enquanto uma estrutura de sentimento do trágico. Nesse sentido, buscaremos demonstrar que na obra de Beckett encontramos um sentir trágico que se expressa na existência esvaziada de qualquer sentido. Além de Raymond Williams, que alicerça o trabalho sobre o conceito de estrutura de sentimento e do trágico, bem como Terry Eagleton sobre este último, serve-nos também de aporte teórico filósofos contemporâneos a Beckett, como Albert Camus, no que diz respeito ao absurdo existencial.

Biografia do Autor

Ayanne Larissa Almeida Souza, Universidade Estadual da Paraíba
Mestrado em Literatura e Estudos Culturais pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual da Paraíba. Graduada em História pela mesma instituição.

Referências

BARRETO, Vincente. Camus – Vida e Obra. Estado da Guanabara, Brasil: José Álvaro Editor S.A., 1976.

BECKETT, Samuel. Esperando Godot. Disponível em: www.oficinadeteatro.com. http://static.recantodasletras.com.br/arquivos/4410393.pdf?1375229203. Acesso em: 17/09/2018.

CAMUS, Albert. O mito de Sísifo – Ensaio sobre o Absurdo. Tradução de Ari Roitman e Paulina Watch. 8. ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2017.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 3. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

EAGLETON, Terry. Doce Violência – a ideia do trágico. Tradução de Alzira Allegro. São Paulo: Editora UNESP, 2013.

JAMESON, Fredric. O inconsciente político – a narrativa como algo socialmente simbólico. Tradução de Valter Lellis Siqueira. São Paulo: Ática, 1992.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Tradução de Lólio L. de Oliveira. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

___________________. Cultura e Materialismo. Tradução de André Glaser. São Paulo: Editoria UNESP, 2011.

___________________. Marxismo y Literatura. Traducción de Pablo di Masso. Barcelona: Ediciones Península S.A., 1997.

___________________. Tragédia Moderna. Tradução de Betina Bischof. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

Publicado
2020-03-31