Gêneros como construções identitárias nas aulas de língua inglesa do ensino médio

  • Josenice Cláudia Moura de Lima Universidade Federal de Alagoas / Instituto Federal de Alagoas
  • Paulo Rogério Stella Universidade Federal de Alagoas - UFAL
Palavras-chave: Gêneros, Língua Inglesa, Linguística Aplicada.

Resumo

O presente artigo é um recorte de uma Dissertação de Mestrado e se propõe a analisar uma tirinha produzida por uma estudante de uma turma de ensino médio, que foi resultado de um processo de discussão em sala de aula de língua inglesa acerca de questões relativas aos gêneros como construções identitárias. Seguindo a perspectiva dos estudos bakhtinianos, observaremos a circulação de valores, entendidos como diferenças de gêneros em seus discursos. Para Volochinov (2017), nas interações envolvendo locutores e interlocutores circulam valores sociais e históricos presentes no ambiente onde se encontram esses interlocutores. E esses respondem ativamente a esses valores, concordando ou discordando com eles.  Para tanto, este artigo divide-se em três partes. Na primeira, discutiremos sobre a questão da ideologia de gêneros na contemporaneidade. Na segunda, trataremos do recorte metodológico do trabalho de pesquisa de viés qualitativo. E na terceira e última seção, apresentaremos uma produção de uma estudante sobre a qual refletiremos acerca da questão da ideologia de gêneros com base nos valores trazidos por ela.

PALAVRAS-CHAVE: Gêneros; Língua Inglesa; Linguística Aplicada.

 

Biografia do Autor

Josenice Cláudia Moura de Lima, Universidade Federal de Alagoas / Instituto Federal de Alagoas

Doutoranda em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Alagoas e professora de Língua Inglesa do Instituto Federal de Alagoas, campus Maceió.

 

Paulo Rogério Stella, Universidade Federal de Alagoas - UFAL
Doutor em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUC e professor adjunto da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Alagoas – UFAL, campus Maceió, nas licenciaturas em inglês e Letras- Libras.

Referências

BAKHTIN, M. M./VOLOCHÍNOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 5. ed. São Paulo: Hucitec, [1929] 1990.

BAKHTIN, M. M. Os gêneros do discurso. In: _____. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, [1977] 2006.

BUTLER, Judith. Gender Trouble: Feminism and the subversion of identity. New York: Routledge, 1990.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CHIZZOTTI, Antonio. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, v. 16, n. 002, p. 221-236: Universidade do Minho, Braga, Portugal, 2003.

CROKER, Robert A. Qualitative Research in Applied Linguistics: a Practical Introduction. New York: Palgrave Macmiliam, 2009.

FABRÍCIO, Branca Falabella. Linguística Aplicada como Espaço de Desaprendizagem: Redescrições em Curso. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

FREIRE, Paulo. Ação Cultural – conscientização. In: Pedagogia da tolerância. São Paulo: Paz e Terra,1995.

HOOKS, Bell. Teaching critical thinking: practical wisdom. New York and London: Routledge, 2010.

KLEIMAN, Ângela. Processos identitários na formação profissional. O professor como agente de letramento. In CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves & BOCH, Françoise (Org). Ensino de língua, representação e letramento. Campinas – São Paulo: Mercado de Letras, 2006, p. 75-91.

KRESS,Gunther; LEEUWEN, Theo. Reading Images: The grammar of visual design. London/New York: Routledge, [1996] 2006.

LOURO, Lopes Guacira. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista do currículo: Petrópolis/ Rio de Janeiro: Vozes, [1997] 2003.

MINAYO, M.C.S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Editora Vozes, 1998.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Identidades fragmentadas: a construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas-SP: Mercado das Letras, 2002.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da (org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

MOTTA, Aracelle Palma Fávero. O letramento crítico no ensino/aprendizagem de língua inglesa sob a perspectiva docente. Londrina, 2008. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/379-4.pdf. Acesso em : 14 jun. 2014.

NOGUEIRA, Juliana Keller; FELIPE, Delton Aparecido ; TERUYA, Teresa Kazuko. Conceitos de Gênero, etnias e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar. Florianópolis: Revista Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder, 2008.

OSTERMANN, Ana Cristina ; FONTANA, Beatriz (Org.). Linguagem, Gênero e Sexualidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

PENNYCOOK, Alastair. Critical Applied Linguistics: A Critical Introduction. New Jersey: LEA, 2001.

PENNYCOOK, A. “Popular Cultures, Popular Languages and Global Identities.” In: COUPLAND, N. (ed) The Handbook of Language and Globalization. Oxford: Wiley-Blackwell, 2010.

SOUSA SANTOS, B. Epistemologies of the South: justice against epistemicide. London and New York: Routledge, 2014.

STAKE. Robert E. Case Studies. In DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. (editors). Handbook of Qualitative Research. London: SAGE Oublications, 1994.

STELLA, Paulo Rogério; TAVARES, Roseanne Rocha. Interação e produção de sentidos na interculturalidade: quando os mundos colidem. In ALBINI, Andressa Brawerman; MEDEIROS, Valéria da Silva (Org.). Diversidade Cultural: Ensino de Língua Estrangeira. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013, p. 61-72.

Publicado
2020-03-31