Entre o neutro e o Grau zero da Escritura: A utopia da linguagem em Roland Barthes

Palavras-chave: Barthes, Utopia, Linguagem, Grau zero, Neutro, Forma,

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir a concepção da utopia de linguagem em Roland Barthes, bem como sua relação com a noção de Grau zero e Neutro, noções que fazem referência a fenômenos linguísticos que rompem com a estrutura paradigmática e binária da língua. Para tanto, a reflexão sobre a utopia da linguagem em Roland Barthes busca compreender em que medida o autor francês entende forma como valor, vinculando a seu projeto estético uma dimensão ética e política. Nesse percurso, discute-se como Barthes compreende a utopia da linguagem enquanto possibilidade de resistência ao caráter fascista da língua em O grau zero da escrita, O prazer do texto, O rumor da língua, O neutro e Aula. Além disso, comenta-se as relações de sentido possíveis feitas entre O grau zero da escritura e O neutro à luz de comentadores da obra barthesiana que estudam a concepção de linguagem proposta por Barthes, a saber: Jean-Claude Milner, Bernard Comment, Rodrigo Fontanari e Leda Tenório da Mota.

Biografia do Autor

Samanta Esteves Nagem, FFLCH/ USP
Bacharela e licenciada em Letras (Português/Francês) pela Universidade de São Paulo. Tem experiência em Letras Modernas e Crítica literária francesa. Fez Monografia e IC sobre Roland Barthes, sendo a última contemplada pelo CNPq.
Mônica Gama, LETRAS/ UFOP
Mônica Gama é doutora em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo. Possui mestrado em Letras pela mesma instituição. Participa desde 2003 do grupo de pesquisa Criação e Crítica. Tem experiência na área de Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: Guimarães Rosa, Autorrepresentação e autobiografia, Arquivos e Manuscritos, Campo Literário. Estudou o acervo da Livraria José Olympio Editora como pesquisadora residente da Fundação Biblioteca Nacional . Atualmente, é professora de Teoria da Literatura e Literatura Brasileira no Departamento de Letras e no Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos da Linguagem - Linha 1 Linguagem e Memória Cultural do Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). 

Referências

BARTHES, Roland. Aula. 14.ed. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 2007

_______. O grau zero da escritura. Trad. Heloysa de Lima Dantas. 2ed. São Paulo: Cultrix, 1986

_______. O neutro. Trad. Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2003

_______. O prazer do texto. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2013

_______. Elementos de semiologia. 4. ed. São Paulo: Cultrix, 1996

BRANDINI, L.T. (Org.) ; BARBOSA, M. V. (Org.) ; PINO, C. C. A. (Org.) . Roland Barthes Plural. 1. ed. São Paulo: Humanitas, 2017. v. 1. 301p .

COMMENT, Bernard. Roland Barthes vers Le Neutre. Paris: Christian Bourgois, 2002.

MILNER, Jean-Claude. Le pas philosophique de Roland Barthes. Paris: Verdier, 2003

MOTTA, L. T. Roland Barthes e seus primeiros toques de delicadeza minimalista. Alea: Estudos Neolatinos (Impresso), v. 12, p. 233-247, 2010.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Com Roland Barthes. São Paulo: Martins Fontes, 2012

RANCIÈRE, J. Políticas da Escrita. Editora 34, Rio de Janeiro RJ, 1995.

FONTANARI, Rodrigo. A concepção de vazio em Roland Barthes. ALEA: ESTUDOS NEOLATINOS (IMPRESSO), v. 20, p. 37-53, 2018.

________. Do Neutro ao Punctum - em busca do grau zero do olhar. Revista Linguagem & Ensino (Online), v. 17, p. 277-294, 2014.

Publicado
2020-03-31