Onde podemos encontrar a impressão digital da legendista? Um estudo sobre o emprego da colocação pronominal e de marcadores discursivos em legendas de Star Trek: Enterprise

Palavras-chave: Impressão digital da legendista, Registros linguísticos, Colocação pronominal, Marcadores discursivos,

Resumo

Este artigo apresenta alguns resultados de uma pesquisa de mestrado que objetivou caracterizar o estilo de uma legendista. O foco deu-se na forma que ela empregou a colocação pronominal e marcadores discursivos (MDs) em legendas em Português Brasileiro, feitas para episódios da série de TV Star Trek: Enterprise. A investigação afiliou-se metodologicamente aos Estudos da Tradução Baseados em Corpus, principalmente por meio do auxílio de dois programas do WordSmith Tools©, 7, o WordList e o Concord. O corpus de estudo se constitui por arquivos de legendas disponíveis na Netflix, em português brasileiro, dos episódios 10 e 11 (temporada 1) e 16 e 24 (temporada 2), enquanto o corpus de referência consiste em outros arquivos de legendas das mesmas temporadas da série feitos por outros legendistas. Os resultados mostram que a impressão digital da legendista em estudo pode ser encontrada por sua preferência pela ênclise e por MDs mais facilmente aceitos nos guias normativos de legendagem da Netflix. Sendo assim, nota-se seu uso variado de registros linguísticos, especialmente do registro formal da língua portuguesa.

Palavras-chave: Impressão digital da legendista. Registros linguísticos. Colocação pronominal. Marcadores discursivos.

Biografia do Autor

Janailton Mick Vitor da Silva, Instituto Federal Goiano-Campus Campos Belos

Professor EBTT na área de Letras no IF Goiano - Campus Campos Belos. Mestre em Estudos da Tradução pela Universidade de Brasília (UnB). Licenciado em Letras - Língua Inglesa pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Tem experiência na área de Letras e Estudos da Tradução, atuando nos seguintes temas: Tradução Audiovisual, Linguística de Corpus, Estudos da Tradução Baseados em Corpus e Ensino de Inglês como Língua Estrangeira.


Alessandra Ramos de Oliveira Harden, UnB
Professora do quadro permanente do Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução da Universidade de Brasília desde 1996. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em ensino de: traducao (teoria e prática), língua Inglesa, redação e leitura (língua inglesa e portuguesa). Atualmente, realiza pesquisa em história da tradução, tradução de textos feministas e tradução audiovisual, com interesse especial em possibilidades de diálogo com o direito, a história, a educação e a filosofia.

Referências

BAGNO, Marcos. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2011.

BAKER, Mona. Corpus linguistics and translation studies: implications and applications. In: BAKER, Mona et al. (Eds.). Text and technology: In honour of John Sinclair. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1993. p. 233-250

______. Corpora in translation studies: an overview and some suggestions for future research. Target, Amsterdam/Philadelphia, v. 7, n. 2, p. 223-243, 1995.

______. Corpus-based translation studies: the challenges that lie ahead. In: SOMERS, Harold. (ed.) Terminology, LSP and translation: studies in language engineering in honour of Juan C. Sager. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1996. p. 177-186.

______. Towards a methodology for investigating the style of a literary translator. Target, Amsterdam/Philadelphia, v. 12, n. 2, p. 241-266, 2000.

BARCELLOS, Carolina Pereira. Estilo da tradução, convencionalidade e mudanças na tradução: um estudo de caso sobre os padrões de escolhas do tradutor Paulo Henriques Britto. 2016. 196f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos)–Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2004.

BERBER SARDINHA, Tony. Comparing corpora with WordSmith Tools: how large must the reference corpus be? In: Annual Meeting of the Association for Computational Linguistics, 38, 2000, Hong Kong. Proceedings of the Workshop on Comparing Corpora… Hong Kong: Hong Kong University of Science and Technology, 2000. p. 7-13. Disponível em: < https://dl.acm.org/citation.cfm?id=1117731>. Acesso em: 26 mar. 2018.

______. Lingüística de corpus. Barueri: Manole, 2004.

______. Pesquisa em Lingüística de Corpus com WordSmith Tools. Campinas: Mercado das Letras, 2009.

BOWEN, J. Donald. A multiple register approach to teaching English. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 35-44, 1972.

CAMARGO, Diva Cardoso. Metodologia de pesquisa em tradução e linguística de corpus. São Paulo: Cultura Acadêmica / São José do Rio Preto: Laboratório Editorial do IBILCE/UNESP, 2007.

CHAUME, Frederic. Film Studies and Translation Studies: two disciplines at stake in audiovisual translation. Meta: Translators’ Journal, Montréal, v. 49, n. 1, p. 12-24, 2004.

CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 5. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2008.

DÍAZ CINTAS, Jorge; REMAEL, Aline. Audiovisual translation: subtitling. Manchester: St. Jerome, 2007.

DOWNING, Angela; LOCKE, Philip. The declarative and interrogative clause types. In: ______.______. (Orgs.). English grammar: a university course. 2. ed. Routledge: New York, 2006. p. 181-189.

FARACO, Carlos Emilio; MOURA, Francisco Marto. Gramática. 19. ed. São Paulo: Editora Ática, 2003.

GALVES, Charlotte; ABAURRE, Maria Bernadete Marques. Os clíticos no português brasileiro: elementos para uma abordagem sintático-fonológica. In: CASTILHO, Ataliba Teixeira; BASÍLIO, Margarida (Orgs.). Gramática do português falado. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2002. v. 4. p. 267-312.

GARCIA, Othon Moacyr. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever, aprendendo a pensar. 26. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

GEORGAKOPOULOU, Panayota. Subtitling for the DVD industry. In: DÍAZ CINTAS, Jorge; ANDERMAN, Gunilla (Org.). Audiovisual translation: language transfer on screen. Great-Britain: Palgrave Macmillan, 2009. p. 21-36.

GOTTLIEB, Henrik. Multidimensional translation: semantics turned semiotics. In: MuTra: Challenges of Multidimensional Translation, 1, 2005, Saarbrücken. Conference proceedings... Saarbrücken: Saarland University, 2005a. p. 1-29. Disponível em: <http://www.euroconferences.info/proceedings/2005_Proceedings/2005_Gottlieb_Henrik.pdf>. Acesso em: 22 fev. 2017.

HENRIQUES, Claudio Cezar. Estilística e discurso: estudos produtivos sobre texto e expressividade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

JAKOBSON, Roman. On linguistic aspects of translation. In: VENUTI, Lawrence. (Ed.). The translation studies reader. London / New York: Routledge, 2000. p. 113-118.

LEECH, Geoffrey; SHORT, Mick. Style in Fiction: a Linguistic introduction to English fictional prose. Harlow: Pearson/Longman, 2007.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Marcadores conversacionais. In: ______. Análise da conversação. 5. ed. São Paulo: Ática, 2003. p. 61-74.

MARTELOTTA, Mário Eduardo. Usos do marcador discursivo tá? Veredas: revista de estudos linguísticos, Juiz de Fora, v. 1, n. 1, p. 89-106, 2009.

MARTELOTTA, Mário Eduardo; ALCÂNTARA, Fabiana. Discursivização na partícula né? In: MARTELOTTA, Mário Eduardo; VOTRE, Sebastião Josué; CEZARIO, Maria Maura (Orgs.). Gramaticalização no Português do Brasil: uma Abordagem Funcional. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 156-163.

NETFLIX. Timed text style guide: general requirements. Scotts Valley: Netflix, 2019a. Disponível em: <https://backlothelp.netflix.com/hc/en-us/articles/215758617-Timed-Text-Style-Guide-General-Requirements>. Acesso em: 09 dez. 2019.

NETFLIX. Brazilian Portuguese timed text style guide. Scotts Valley: Netflix, 2019b. Disponível em: <https://backlothelp.netflix.com/hc/en-us/articles/215600497-Brazilian-Portuguese-Timed-Text-Style-Guide>. Acesso em: 09 dez. 2019.

PYM, Anthony. Method in translation history. Manchester: St. Jerome, 1998.

_____. On translator ethics: principles for mediation between cultures. Amsterdam: Benjamins, 2012.

REID, Helen. Literature on the screen: subtitle translating for public broadcasting. SQR Studies in Literature, [S.I.], n. 5, p. 97-107, 1996.

RIBEIRO, Talita Guimarães Sales. Entrevista concedida a Janailton Mick Vitor da Silva. Brasília, 22 fev. 2018. [A entrevista está disponível em: SILVA, Janailton Mick Vitor da. Entrevista com Talita Guimarães Sales Ribeiro. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 38, n. 3, 2018.]

RISSO, Mercedes Sanfelice. Marcadores discursivos basicamente seqüenciadores. In: JUBRAN, Clélia Cândida Abreu Spinardi; KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. (Orgs). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2006. p. 427-496. v. 1.

RISSO, Mercedes Sanfelice; OLIVEIRA E SILVA, Giselle Machline de; URBANO, Hudinilson. Traços definidores dos marcadores discursivos. In: JUBRAN, Clélia Cândida Abreu Spinardi; KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. (Orgs). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2006. p. 403-425. v. 1.

SALDANHA, Gabriela. Translator style: methodological considerations. The Translator. UK, v. 17, n. 1, p. 25-50, 2011a.

______. Style of translation: the use of foreign words in translations by Margaret Jull Costa and Peter Bush. In: KRUGER, Alet; WALLMACH, Kim; MUNDAY, Jeremy. (Ed.). Corpus Based Translation Studies: Research and Applications. London/New York: Continuum, 2011b. p. 237-258.

SCHIFFRIN, Deborah. Discourse markers: language, meaning, and context. In: SCHIFFRIN, Deborah; TANNEN, Deborah; HAMILTON, Heidi E. (Eds.). The handbook of discourse analysis. Malden; Oxford: Blackwell Publishers Ltd., 2001. p. 54-75.

SCOTT, Mike. WordSmith Tools manual. Stroud: Lexical Analysis Software Ltd., 2018.

SILVA, Janailton Mick Vitor da. Que espaço a legendista ocupa? Um estudo sobre estilo do tradutor. 2018. 176f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) –Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

STAR TREK: ENTERPRISE (TEMPORADA 1, EPISÓDIO 10, COLD FRONT). Direção de Robert Duncan McNeill. Paramount Studios. EUA: 2001. Los Angeles: Paramount Network Television, 2001. TV (45 min), colorido.

STAR TREK: ENTERPRISE (TEMPORADA 1, EPISÓDIO 11, SILENT ENEMY). Direção de Winrich Kolbe. Paramount Studios. EUA: 2002. Los Angeles: Paramount Network Television, 2002. TV (45 min), colorido.

STAR TREK: ENTERPRISE (TEMPORADA 2, EPISÓDIO 16, FUTURE TENSE). Direção de James Whitmore Jr. Paramount Studios. EUA: 2003. Los Angeles: Paramount Network Television, 2003. TV (43 min), colorido.

STAR TREK: ENTERPRISE (TEMPORADA 2, EPISÓDIO 24, FIRST FLIGHT). Direção de LeVar Burton. Paramount Studios. EUA: 2003. Los Angeles: Paramount Network Television, 2003. TV (43 min), colorido.

TOTTIE, Gunnel; HOFFMANN, Sebastian. Tag questions in British and American English. Journal of English Linguistics, Lancaster, v. 34, n. 4, p. 283-311, 2006.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A variação linguística e o ensino de língua materna. In: ______. GRAMÁTICA E INTERAÇÃO: uma proposta para o ensino de gramática. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2006. p. 41-66.

URBANO, Hudinilson. Marcadores discursivos basicamente interacionais. In: JUBRAN, Clélia Cândida Abreu Spinardi; KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2006. p. 497-527. v. 1.

Publicado
2020-03-31